EXPOSIÇÃO DE PINTURA “SÉC.XXI – UM SÉCULO DE CONTRASTES” DE GABRIELA SANTOS

Cartaz.jpg

SOBRE A AUTORA

Gaby, Gabriela Santos, nasceu a 8 de dezembro de 1949, por mero acaso em Leiria, pois o seu pai, eletricista de obras estava a trabalhar na Marinha Grande. Com cerca de 4 anos foi viver no Montijo, onde fez a instrução primária, mudando-se depois definitivamente para o Barreiro. Aí fez a escola secundária, onde teve o primeiro contacto com o movimento antifascista, frequentando entre outros a Académica e o Cineclube. Continuou os seus estudos em Lisboa, no Instituto Industrial, tendo participado ativamente no movimento estudantil dos anos 60, através da Associação de Estudantes. Em 1970 começou a trabalhar na CP, tendo aproveitado para conhecer a Europa de comboio. Durante vários anos fez parte da Comissão de Trabalhadores da CP, sendo coordenadora da mesma. Ao fim de 22 anos saiu da CP e reformou-se com uma grave depressão nervosa. O seu amor pelos animais levou-a à criação de cães, atividade que mantem até hoje agradecendo-lhes o facto de terem contribuído definitivamente para o seu franco restabelecimento.

A sua grande curiosidade por novas culturas levou-a à América Latina, tendo recebido a sua influência especialmente do Peru e da Bolívia e que pode ser observada em algumas das suas obras.

No ano de 2015 passava repetidamente junto a uma casa que anunciava cursos de desenho e pintura. Sem quaisquer perspetivas e nunca tendo pintado ou desenhado de forma consistente, resolveu tentar por considerar que lhe poderia ser terapêutico, devido ao seu passado. E foi assim, que aos 66 anos se viu a pintar. De janeiro de 2016 até à presente data já pintou cerca de 90 quadros e realizou as seguintes exposições individuais:

  • a 26/11/2016, na Junta de Freguesia da Baixa da Banheira focada essencialmente sobre as atrocidades que nos afligem no século XXI
  • a 3/3/2017, na Voz do Operário em Lisboa
  • a 8/6/2017, na Biblioteca do Vale da Amoreira, com o tema “Gentes e Tribos” em homenagem aos moradores desta freguesia, que são maioritariamente de origem africana.

SOBRE A EXPOSIÇÃO

Nesta exposição procura-se mostrar, por um lado alguns aspetos negativos da atual sociedade e, por outro, algumas civilizações que, apesar de tudo, continuam a ser belas.

No primeiro caso são exemplos as guerras e o sofrimento que provocam em todos e em especial nas crianças que são as primeiras e inocentes vítimas da violência que assola o planeta.

No segundo caso temos as tribos que ainda não se contaminaram com esta violência e continuam a viver a vida de uma forma simples e bela.

Anúncios