EXPOSIÇÃO DE PINTURA E FOTOGRAFIA “OS AVIEIROS E O TEJO” DE EMÍLIA PEDROSO, BLÓ E TERGON

CartazPrograma Inauguração.png

A Exposição Coletiva “Os Avieiros e o Tejo” é composta por Pintura da autoria de Bló (Isabel Pestana) e de Emília Pedroso e Fotografia, de Tergon (Teresa Gonçalves).

As autoras pretendem, através dos seus diferentes “olhares”, mostrar um pouco da cultura avieira, com as casas, os barcos, os artefactos de pesca e tendo, naturalmente, o rio Tejo como centro das suas vidas.

 

Emília.foto cara.png

Emília Infante Pedroso, nasceu em Lisboa.

Fez os estudos primários e secundários em Lisboa, mas tendo família paterna oriunda da Chamusca, sempre aí passou férias.

Teve, como maior amiga, a filha do escultor Leopoldo de Almeida, cuja casa frequentava, quase diariamente, e onde conviveu com artistas das áreas de Pintura, Arquitetura e Literatura que a marcaram profundamente pois sempre foi recetiva a todo o género de Arte.

Tendo o Curso de Hotelaria, da Escola de Hotelaria de Lisboa, exerceu esta profissão, no Brasil, num conceituado Hotel de Cabo Frio.

De regresso a Portugal, faz o Curso de História de Arte na Escola ARCO, em Lisboa.

Trabalhou como secretária da Presidência da Associação dos Arquitetos, mais tarde, Ordem dos Arquitetos.

Em 1994, através de subsídios concedidos pelo IFADAP, abre um Agroturismo, a cerca de 18 Km de Coruche, aí permanecendo até 2008.

Nesse período de tempo, aprende pintura com um Mestre, formado pela Escola de Belas Artes, aproveitando a vinda semanal deste, a Coruche, para lecionar, particularmente, um grupo de alunos.

Em 2008, vende o Agroturismo e constrói a casa, onde reside atualmente, na Chamusca, sua terra de eleição.

Em janeiro de 2017, expõe, pela primeira vez, na Sala Polivalente da Biblioteca Municipal da Chamusca, as suas telas com o tema” A Chamusca e Tejo”, dedicadas aos seus avós paternos.

Em julho de 2017, participa na Coletiva de Pintura e Fotografia, subordinada ao tema “Os Avieiros e o Tejo”, no Convento de São Francisco, em Santarém.

Bló.foto cara

Bló (Isabel Pestana) é natural da Chamusca.

Conclui o curso de Designer de Interiores e de Equipamento Gráfico Geral, no I.A.D.E (Instituto de Arte Decoração e Design) de Lisboa e frequentou a Stilandrade, em Lisboa, onde entrou em contato com algumas das mais avançadas técnicas de pintura decorativa.

Fez a sua primeira exposição de pintura no Hotel do Prado em 1996 e desde essa altura que expõe o seu trabalho, individualmente, em feiras como a Ascensão na Chamusca, Feira do Cavalo na Golegã, e também, em exposições coletivas, em São Martinho do Porto e Bombarral.

Em julho de 2010, os seus trabalhos integram o livro “Pintores do Oeste”.

Em 2014, é convidada, pela Associação Terras Quentes e Câmara Municipal de Macedo de Cavaleiros, para integrar a equipa liderada pelo Dr. Miguel Sanches de Baena. Neste âmbito, foi-lhe dada a incumbência de gerir toda a área artística do Museu Martim Gonçalves Macedo

Expôs, individualmente, no “Fórum da Corredoura” em Tomar e na “Antiqua”, na Golegã, sobre a temática dos TEMPLÁRIOS.

Em junho de 2015 apresentou, na Sala Polivalente da Biblioteca Municipal da Chamusca, em homenagem à sua mãe: RAÍZES DA VIDA – os seus trabalhos mais simbólicos.

No Centro de Artes e Cultura de Ponte de Sôr, em 18 de junho de 2016, inaugurou a Exposição: PERFEITO / IMPERFEITO – Celebração da Mulher. A 27 de agosto de 2016, a Exposição “TEMPLÁRIOS” na Galeria Municipal do Entroncamento e, em 18 de março de 2017, a Exposição “UNIVERSO SEPTENÁRIO”, mais uma vez, na Biblioteca Municipal da Chamusca.

Participou, ainda, na 1ª Exposição de Arte Tauromáquica da Chamusca– Ascensão 2017 e na Coletiva de Pintura e Fotografia “OS AVIEIROS E O TEJO”, no Convento de São Francisco, em Santarém – de 01 a 12 de Julho de 2017.

Recentemente efetuou trabalho de restauro, em paredes, com pinturas artísticas, no edifício sede da Fundação Rafael e Maria Rosa Neves Duque, sediada na Chamusca

Atualmente dá aulas de pintura a crianças e adultos, mantendo o seu trabalho nas áreas das artes decorativas e restauro, nomeadamente, no restauro de telas, móveis e paredes.

Tergon cara

Tergon (Teresa Gonçalves) é natural da Chamusca.

Frequentou o Liceu Nacional Sá da Bandeira de Santarém e a Faculdade de Letras de Lisboa.

Viveu cerca de 50 anos em Lisboa e, após a reforma, regressa, à terra de seu nascimento, onde reside atualmente.

Desde muito cedo que se interessou por fotografia, brincando com a velhinha Kodak de seu pai.

Por razões de uma das suas atividades profissionais “Formação de Formadores”, teve de desenvolver e aperfeiçoar as técnicas de Multimédia, no Centro de Formação, do Instituto de Emprego e Formação Profissional.

Faz fotografia como hobby, pois gosta de “olhar” e captar o mundo ao seu redor.

Na era da fotografia digital, tem explorado as possibilidades da informática para transformar as fotos e recriá-las em Arte Digital. À falta de “engenho e arte”, vai fazendo experiências que expressem as suas emoções.

Participou em vários sites de fotografia, nomeadamente, “OlharesFotografia Online” e “Reflexos Online”.

Participou, ainda, na 1ª Exposição de Arte Tauromáquica da Chamusca – Ascensão 2017 e na Coletiva de Pintura e Fotografia “Os Avieiros e o Tejo”, no Convento de São Francisco, em Santarém – de 01 a 12 de Julho 2017.

                                              ::::::::::::::::::::::      :::::::::::::::::::::

“Entre as muitas formas de combater o nada, uma das melhores é tirar fotografias, atividade que deveria ensinar-se, desde muito cedo, às crianças, pois exige disciplina, educação estética, bons olhos e dedos seguros” – Júlio Cortázar

“Fotografar, é colocar na mesma linha, a cabeça, o olho e o coração” – Henri Cartier-Bresson

“Você não fotografa com a sua máquina. Você fotografa com toda a sua cultura” – Sebastião Salgado.

 

Anúncios