CAMINHOS DA PEDRA

BESTIÁRIO À SOLTA

12 outubro às 11h00 – Deixem-nos Ser – Parque Verde do Bonito (Junto às Piscinas Municipais)

12 outubro às 14h00 – Deixem-nos Ser – Jardim Afonso Serrão Lopes (Zona Verde)

13 outubro às 11h00 – Tenho Um Bicho cá Por Dentro – Jardim Afonso Serrão Lopes (Zona Verde)

(Se as condições climatéricas não permitirem a realização da atividade no Jardim Afonso Serrão Lopes, a mesma irá realizar-se na Biblioteca Municipal do Entroncamento)

14 outubro às 11h00 – Curo-vos de Todos os Males – Jardim  José Pereira Caldas (Jardim da Aranha)

(Se as condições climatéricas não permitirem a realização da atividade no Jardim José Pereira Caldas, a mesma irá realizar-se no Centro Cultural do Entroncamento)

Histórias de humanos e monstros a partir do Bestiário Tradicional Português.

Os monstros povoam os nossos medos e habitam em espaços onde tradicionalmente os pavores se escondem. O que seria dos monstros (e dos medos) se um dia ficassem sem lugares onde assombrar? Se a Maria Gancha tivesse de fugir do seu poço envenenado, se as Moiras Encantadas vissem incendiados os seus montes sem que os seus encantamentos fossem quebrados, se o habitat dos Tardos e Lobisomens estivesse tão poluído que não pudessem correr o seu fado por essas madrugadas fora?

Do Bestiário Tradicional Português para as ruas das nossas povoações, as criaturas que assombraram os nossos avós encontram agora um problema que nunca imaginaram enfrentar: um mundo poluído tão inóspito que nem os monstros é capaz de acolher.

LISBOA STRING TRIO

12 outubro às 21h30, no Centro Cultural do Entroncamento

Os LST – Lisboa String Trio são um trio português constituído pelo guitarrista José Peixoto, o guitarra portuguesa Bernardo Couto e o contrabaixista Carlos Barretto. Juntos desde 2013, editaram o primeiro álbum “Matéria” em 2014 e com este primeiro registo ganharam o Prémio Carlos Paredes atribuído pela Câmara Municipal de Vila Franca de Xira.

Em 2016 editam “Lisboa” e com este trabalho para além de continuarem a atuar um pouco por todo o país e em alguns festivais no estrangeiro, são nomeados para Melhor Disco – Prémio Autores 2017, atribuído pela Sociedade Portuguesa de Autores.

Nos concertos destaca-se, entre outras, a presença nos festivais Internacional de Guitarra de Santo Tirso, Música de Leiria, Bons Sons, Festival F em Faro. E ainda, claro o espetáculo especial integrado no Festival Música no Rio – os outros sons do fluviário, em Mora e que juntou a versatilidade dos LST à doçura de Cristina Branco.

YANN LHEUREUX – FLAGRANT DÉLIRE

13 outubro às 21h30, no Centro Cultural do Entroncamento

Flagrant Délire é um solo que corresponde ao segundo momento de uma trilogia idealizada por Yann Lheureux e que questiona os contextos de construção de identidade num território. Nesta criação, o performer mergulha na génese das suas dúvidas e convicções, aventurando-se num cenário com múltiplas dimensões. Um espaço performativo que expressa um terreno vertiginoso, abrindo espaço a apostas de movimento arrojadas e complexas.

MULIER – MADUIXA

14 outubro às 18h00, na Lateral aos Campos Sintéticos

(Se as condições climatéricas não permitirem a realização da atividade no Lateral aos Campos Sintéticos, a mesma irá realizar-se no Centro Cultural do Entroncamento)

Maduixa é uma companhia de dança em espaço público que recorre a movimentos com andas e um elenco exclusivamente feminino. Em Mulier , a companhia exprime um contexto em que toda a mulher tem dentro de si um ser selvagem e livre, uma natureza instintiva que diferentes civilizações se tem esforçado por domesticar. Os seus ciclos naturais foram forçados a adaptar-se a ritmos artificiais para agradar aos outros e enclausurar dons inatos, sejam criativos, instintivos ou visionários.

Este espetáculo é uma homenagem a todas as mulheres que durante séculos e séculos de opressão lutaram e ainda lutam por viver o seu lado mais selvagem, reivindicando o direito de dançar e correr livremente pelas ruas e praças da nossa sociedade.

 

Anúncios