Oficina Infantil Especial Dia da Mãe

Cartaz_OficinaDiaMae.jpg

O Município do Entroncamento promove, no dia 4 de maio, sábado, entre 15h00 e as 17h00, na sala do Centro Cultural uma oficina Infantil especial do Dia da Mãe.

Esta oficina propõe às crianças a pintura e decoração de um saco de pano personalizado para oferecer à mãe e assim celebrar esta data especial.

Com muita imaginação, muito amor e carinho cada criança irá tornar o seu presente único e muito afetuoso.

Esta atividade tem limite de participantes, é dirigida a crianças dos 6 aos 12 anos e carece de inscrição gratuita a realizar nos Serviços Culturais, ou através do endereço eletrónico cultura@cm-entroncamento.pt, ou pelo tlm 919183331.

Anúncios

EXPOSIÇÃO DE PINTURA “IMAGENS DO INFINITO” DE ÁLVARO ASSUNÇÃO

Exposicao_Cartaz-Flyer Frente.jpg

SINOPSE

IMAGENS DO INFINITO

 

Viajo em delírio aspirando perfumes ocres e vermelhos,

Trespassando estrelas, cruzando o firmamento,

Rejubilo com os cometas céleres de prata e espelhos,

Sinto em mim esferas de luz e conhecimento!

 

Rasgo o horizonte das galáxias imemoriais,

Deslumbram-me os guardiães do tempo!

Flutuam mesclados em paisagens intemporais,

São a harmonia, o belo, um monumento!

 

E por fim, irrompo vertiginosamente do Cosmos,

Afinal,

Simples molécula da diversão de um deus…

Invisível, desconhecido… inexplicável!

 

Quando regresso de cada viagem, todo o meu ser se volta a comprimir dentro do espaço físico do meu corpo… mas o meu espírito, esse, é cada vez maior…

E assim, a distância entre o céu e a terra, encurta-se … sem nunca diminuir!

 

Álvaro Assunção 2019

 

ÁLVARO ASSUNÇÃO

 

Álvaro de Assunção Rodrigues dos Santos, nasceu em Coimbra em Janeiro de 1969. Inicia os seus estudos na Escola Superior de Tecnologias Artísticas de Coimbra – A.R.C.A. e Licencia-se em Pintura em 1994.

Paralelamente à carreira profissional e estudantil começou desde 1990 a participar em exposições colectivas. Em 1995 faz a sua primeira exposição individual.

É Professor do Quadro de Nomeação Definitiva do grupo 600 (Artes visuais) do Agrupamento de Escolas Cidade do Entroncamento.

Professor de Desenho e Pintura na Associação de Desenvolvimento Cultural, Palha de Abrantes, de Outubro de 1999 a Junho de 2008.

Sócio da Associação dos Antigos Alunos da ARCA-EUAC, (Escola Universitária das Artes de Coimbra) a partir de Maio de 2005.

 

EXPOSIÇÕES

COLECTIVAS

  • Comemorativa do 10º aniversário do salão Polivalente de S. José – Coimbra, 1990.
  • Boémia Bar – Coimbra, 1991.
  • Comemorativa dos 80 anos da Maternidade Dr. Daniel de Matos – H.U.C. – Coimbra, 1991.
  • V Profarte 93 – Penacova, 1993.
  • III Jornadas Culturais do C.B.M. – Santo Varão, 1993.
  • 1ª Semana de Arte do Instituto de Almalaguês – Coimbra, 1994.
  • Museu de Antropologia de Coimbra, 1994.
  • Festejos do 2º T.O.C. (Teatro e Oficinas de Criatividade) Montemor-o-Velho, 1994.
  • IX Profarte 97 – Penacova, 1997.
  • “Folhas Soltas” no Centro de Animação Cultural Alcáçova – Montemor-O-Velho, 1997.
  • “Movimento de Arte VI” no M.A.C. – Movimento de Arte Contemporânea – Lisboa, 1999.
  • “Viver Arte em Abrantes” na Galeria Municipal de Abrantes, 2001.
  • “Mulheres para Além do Medo” no bar Beb’Op em Montemor-o-Velho, 2006.
  • Bar Beb’Op em Montemor-o-Velho, 2006.
  • FONLAD 07 – Festival on-line de Artes Digitais de Coimbra – Edição 3, 2007
  • I Bienal de Artes do Município de Ansião, 2008.
  • II Bienal de Artes do Município de Ansião, 2010.
  • Exposição Colectiva de Natal na Galeria M.A.C. – Movimento de Arte Contemporânea – Lisboa, 2015.
  • “100 Anos de Artes Plásticas em Abrantes” na Galeria Municipal de Abrantes, 2016.
  • Exposição Colectiva do 23º aniversário da Galeria MAC – Movimento de Arte Contemporânea – Lisboa, 2017.
  • Exposição Colectiva de Natal da Galeria MAC – Movimento de Arte Contemporânea – Lisboa, 2017.
  • Exposição Colectiva do 24º aniversário da Galeria MAC – Movimento de Arte Contemporânea – Lisboa, 2018.
  • Exposição Colectiva de Artes Visuais no âmbito das comemorações do 50º aniversário do Liceu Nacional de Abrantes.
  • Exposição Colectiva de Natal da Galeria MAC – Movimento de Arte Contemporânea – Lisboa, 2018.
  • Exposição Colectiva no MAC – Movimento de Arte Contemporânea – Lisboa.

 

 

INDIVIDUAIS

  • Fundação Dionísio Pinheiro e Alice Cardoso Pinheiro – Águeda, 1995.
  • Palácio da Borralha – Águeda, 1995.
  • Atelier de S. Francisco – Coimbra, 1996.
  • Salão Nobre da Casa da Cultura – Mealhada, 1997.
  • “Viagens” no Centro de Animação Cultural Alcáçova – Montemor-O-Velho., 1998
  • “Viagens” na Santa Casa da Misericórdia de Abrantes – Abrantes, 1998.
  • “Imagens do Infinito” na Galeria Municipal de Abrantes, 2002.
  • “Imagens do Infinito” no Centro Cultural Gil Vicente em Sardoal, 2006.
  • “Explosões de Vida” na Galeria M.A.C. – Movimento de Arte Contemporânea – Lisboa, 2017.
  • “Para além da Realidade”, 1990 a 2017 – 27 anos de Pintura, nas Oficinas de Formação e Animação Cultural da Câmara Municipal de Aljustrel, 2018.

 

 

PRÉMIOS

  • Prémio MAC Artes Plásticas 2017, Menção Honrosa em Pintura.

EXPOSIÇÃO DE PINTURA “CONVERSAS TRANQUILAS” DE ELSA MARQUES

Cartaz_Elsa Marques

Elsa Pires Marques

Nasceu nas Mouriscas, concelho de Abrantes a 9 de junho de 1961.

Desde 2003 que frequenta o Centro de Estudos de Arte Contemporânea na Vila Nova da Barquinha, ministrados pelos pintores Carlos Vicente e Rita Vieira.

Como artista do atelier já expôs em diversos locais.

 

Exposições Individuais

– Museu dos Riachos em 2005

– Mouriscas (Festas da vila) em 2005

– Discoteca emotion Torres Novas em 2006

– Centro cultural V.N. Barquinha

“metamorfose” em 2007

– Posto de turismo de Constância

“metamorfose” em 2008

– Átrio do hospital de Torres Novas

“metamorfose” em 2009

– Galeria Municipal do Entroncamento

“vou com o vento” em 2010

– Galeria de arte do museu Etnográfico dos Riachos

“vou com o vento” em 2011

– Bar Sabores do Mercado do Entroncamento

“in-real” em 2012

– Galeria Municipal do Entroncamento

“Descuido ou interesse” em 2015

 

Exposições coletivas

– Átrio do Hospital de Torres Novas

em 2005, 2006, 2007, 2008 e 2009

– Galeria Municipal do Entroncamento

em 2015, 2016,2017 e 2018

– C.A.I. Tomar

em 2016, 2017 e 2018

 

Exposição de Pintura “Conversas Tranquilas”

Num passeio pela natureza, uma pequena brisa passa, se ouve o murmúrio entre as árvores e nos acalma… (Elsa Marques)

 

“Floresta”

Entre o terror e a noite caminhei

não em redor das coisas mas

subindo

Através do calor das suas veias

não em redor das coisas mas

morrendo

Transfigurada em tudo quando amei

Entre o luar e a sombra caminhei:

era ali a minha alma, cada flor

– cega, secreta e doce como estrela

Quando tocava nela me tornei.

E as árvores abriram os seus ramos

os seus ramos enormes e convexos

e no estranho brilhar dos seus reflexos

oscilavam sinais, quebrados ecos

Que no silêncio fantástico beijei…

Sophia de Mello Breyner

COMÉDIA MUSICAL “FILHA DA MÃE”

Depois do sucesso de “Velha é Você!” e “Velhas no Cruzeiro”, onde as divertidas personagens São e Mira fizeram êxito, desta vez chega a comédia musical “Filha da Mãe”, uma história de ternura, dores de cabeça, traquinices, peripécias, mas principalmente, de amor entre mãe e filha.

Com músicas que todos conhecem e cantam, esta comédia retrata a vida real de uma família como tantas outras, com situações caricatas que se passam entre mãe e filha desde a idade da infância até esta ser adulta. Impossível não se reverem e não se divertirem! Preparem-se para entrar a alta velocidade porque começa agora o jogo “doçura ou travessura” que terminará num vendaval de gargalhadas.

Com texto de Marisa Carvalho e interpretação de Paula Marcelo e Marisa Carvalho, som e luz de Cristina Pimentel.

Bilhetes à venda a partir de 8 de março no Posto de Turismo, Piscinas Municipais, Serviço de Águas da Câmara Municipal e na bilheteira do Centro Cultural no dia do espetáculo uma hora antes (caso não esgotem anteriormente)

Bilhetes: 10€

M/12

TEATRO INFANTIL “PAULA DE PAPEL”

Sinopse:

“Fecha-se os olhos, não é? Quando se vê uma coisa assim, que faz terror ou nojo, fecha-se os olhos. É bom aprender a ter os olhos abertos, para se ver tudo.”

O medo? O medo é começar a imaginar…

Paula não tem medo do escuro, mas das formas que aparecem quando a luz se apaga. Durante um sonho, encontra-se a si própria e convence-se que a maneira de lidar com o medo é dar-lhe uma face. Numa viagem onde todos somos Paula, o medo torna-se aliado e a imaginação a matéria que nos faz avançar. Figuras extravagantes, metade-mulher e metade-animal, saídas das pinturas e do imaginário de PAULA REGO serão as guias desta jornada em que o medo deixa de ser inimigo.

Equipa:

A partir das palavras e imaginário de PAULA REGO criação de interpretação JULIANA PINHO, MARGARIDA MATA e RITA BRITO, cenografia RUI FRANCISCO, figurinos CLARA BENTO, música JORGE SALGUEIRO, criação TEATRO O BANDO.

Vídeo promocional:

https://www.youtube.com/watch?v=jljn7mabUlY&pbjreload=10