Arquivo da categoria: Exposições

Exposições

ENTRONCAMENTO EM FLOR . EXPOSIÇÕES

EntºemFlor_Cartaz_exposições.jpg

Galeria Municipal

sobre a exposição

o tema é “ Per Agrum

Simboliza a caminhada de alguém através do campo, levando na mente um destino e um propósito no coração…

sobre Samuel Antunes

Samuel de Jesus Antunes tem 40 anos e abraça a arte bonsai desde 1996. Tem cooperado em vários eventos dedicados ao bonsai com mestres europeus, participando em exposições e congressos. Atualmente  pratica a arte ativamente transmitindo os seus conhecimentos em oficinas e encontros, e  é membro de várias organizações dedicadas ao ramo.

(textos de Samuel Antunes)

 

Sala Centro Cultural

sobre a exposição

II Mostra de Plantas Suculentas, Catos e Bonsai de Graça Baptista e Luísa Santos

A convite da autarquia, no âmbito do Programa “Entroncamento em Flor”, a pensar nos jardins belos, práticos e de fácil manutenção da nossa urbe, foi lançado o desafio no ano transato, de apresentação de uma possível Mostra das suas plantas a Graça Baptista e a Luísa Santos.

sobre as autoras/jardineiras

Graça Baptista, Professora, apresenta-nos a afirmação do cuidado e da beleza, ao trazer uma coleção jovem, com dois anos, de catos e suculentas. Do passado dedicada à sua primeira coleção, que deixou por circunstâncias de disponibilidade, ficou o repto para o seu regresso e é com parte desta redescoberta que poderemos conviver, mais uma vez, durante este fim de semana.

Luísa Santos, criativa, cultiva o gosto pelas plantas, pela terra e destas para a cerâmica, os bonsai, suculentas e catos que nos traz. O seu jardim, com mais de uma década, oferece-nos de novo uma proposta generosa ao olhar de formas, cores e resiliências.

Acresce nesta II Mostra a vontade de ambas poderem, com a sua partilha, propiciar ao visitante a apreciação da estética, das cores, do cheiro e da vida que cada planta traz a cada pessoa em particular.

 

Exterior do Centro Cultural

Mercado de Flores

Apelo feito às Floristas da Cidade e algumas estufas dos Concelhos da Região

Anúncios

EXPOSIÇÃO DE PINTURA “IMAGENS DO INFINITO” DE ÁLVARO ASSUNÇÃO

Exposicao_Cartaz-Flyer Frente.jpg

SINOPSE

IMAGENS DO INFINITO

 

Viajo em delírio aspirando perfumes ocres e vermelhos,

Trespassando estrelas, cruzando o firmamento,

Rejubilo com os cometas céleres de prata e espelhos,

Sinto em mim esferas de luz e conhecimento!

 

Rasgo o horizonte das galáxias imemoriais,

Deslumbram-me os guardiães do tempo!

Flutuam mesclados em paisagens intemporais,

São a harmonia, o belo, um monumento!

 

E por fim, irrompo vertiginosamente do Cosmos,

Afinal,

Simples molécula da diversão de um deus…

Invisível, desconhecido… inexplicável!

 

Quando regresso de cada viagem, todo o meu ser se volta a comprimir dentro do espaço físico do meu corpo… mas o meu espírito, esse, é cada vez maior…

E assim, a distância entre o céu e a terra, encurta-se … sem nunca diminuir!

 

Álvaro Assunção 2019

 

ÁLVARO ASSUNÇÃO

 

Álvaro de Assunção Rodrigues dos Santos, nasceu em Coimbra em Janeiro de 1969. Inicia os seus estudos na Escola Superior de Tecnologias Artísticas de Coimbra – A.R.C.A. e Licencia-se em Pintura em 1994.

Paralelamente à carreira profissional e estudantil começou desde 1990 a participar em exposições colectivas. Em 1995 faz a sua primeira exposição individual.

É Professor do Quadro de Nomeação Definitiva do grupo 600 (Artes visuais) do Agrupamento de Escolas Cidade do Entroncamento.

Professor de Desenho e Pintura na Associação de Desenvolvimento Cultural, Palha de Abrantes, de Outubro de 1999 a Junho de 2008.

Sócio da Associação dos Antigos Alunos da ARCA-EUAC, (Escola Universitária das Artes de Coimbra) a partir de Maio de 2005.

 

EXPOSIÇÕES

COLECTIVAS

  • Comemorativa do 10º aniversário do salão Polivalente de S. José – Coimbra, 1990.
  • Boémia Bar – Coimbra, 1991.
  • Comemorativa dos 80 anos da Maternidade Dr. Daniel de Matos – H.U.C. – Coimbra, 1991.
  • V Profarte 93 – Penacova, 1993.
  • III Jornadas Culturais do C.B.M. – Santo Varão, 1993.
  • 1ª Semana de Arte do Instituto de Almalaguês – Coimbra, 1994.
  • Museu de Antropologia de Coimbra, 1994.
  • Festejos do 2º T.O.C. (Teatro e Oficinas de Criatividade) Montemor-o-Velho, 1994.
  • IX Profarte 97 – Penacova, 1997.
  • “Folhas Soltas” no Centro de Animação Cultural Alcáçova – Montemor-O-Velho, 1997.
  • “Movimento de Arte VI” no M.A.C. – Movimento de Arte Contemporânea – Lisboa, 1999.
  • “Viver Arte em Abrantes” na Galeria Municipal de Abrantes, 2001.
  • “Mulheres para Além do Medo” no bar Beb’Op em Montemor-o-Velho, 2006.
  • Bar Beb’Op em Montemor-o-Velho, 2006.
  • FONLAD 07 – Festival on-line de Artes Digitais de Coimbra – Edição 3, 2007
  • I Bienal de Artes do Município de Ansião, 2008.
  • II Bienal de Artes do Município de Ansião, 2010.
  • Exposição Colectiva de Natal na Galeria M.A.C. – Movimento de Arte Contemporânea – Lisboa, 2015.
  • “100 Anos de Artes Plásticas em Abrantes” na Galeria Municipal de Abrantes, 2016.
  • Exposição Colectiva do 23º aniversário da Galeria MAC – Movimento de Arte Contemporânea – Lisboa, 2017.
  • Exposição Colectiva de Natal da Galeria MAC – Movimento de Arte Contemporânea – Lisboa, 2017.
  • Exposição Colectiva do 24º aniversário da Galeria MAC – Movimento de Arte Contemporânea – Lisboa, 2018.
  • Exposição Colectiva de Artes Visuais no âmbito das comemorações do 50º aniversário do Liceu Nacional de Abrantes.
  • Exposição Colectiva de Natal da Galeria MAC – Movimento de Arte Contemporânea – Lisboa, 2018.
  • Exposição Colectiva no MAC – Movimento de Arte Contemporânea – Lisboa.

 

 

INDIVIDUAIS

  • Fundação Dionísio Pinheiro e Alice Cardoso Pinheiro – Águeda, 1995.
  • Palácio da Borralha – Águeda, 1995.
  • Atelier de S. Francisco – Coimbra, 1996.
  • Salão Nobre da Casa da Cultura – Mealhada, 1997.
  • “Viagens” no Centro de Animação Cultural Alcáçova – Montemor-O-Velho., 1998
  • “Viagens” na Santa Casa da Misericórdia de Abrantes – Abrantes, 1998.
  • “Imagens do Infinito” na Galeria Municipal de Abrantes, 2002.
  • “Imagens do Infinito” no Centro Cultural Gil Vicente em Sardoal, 2006.
  • “Explosões de Vida” na Galeria M.A.C. – Movimento de Arte Contemporânea – Lisboa, 2017.
  • “Para além da Realidade”, 1990 a 2017 – 27 anos de Pintura, nas Oficinas de Formação e Animação Cultural da Câmara Municipal de Aljustrel, 2018.

 

 

PRÉMIOS

  • Prémio MAC Artes Plásticas 2017, Menção Honrosa em Pintura.

EXPOSIÇÃO DE PINTURA “CONVERSAS TRANQUILAS” DE ELSA MARQUES

Cartaz_Elsa Marques

Elsa Pires Marques

Nasceu nas Mouriscas, concelho de Abrantes a 9 de junho de 1961.

Desde 2003 que frequenta o Centro de Estudos de Arte Contemporânea na Vila Nova da Barquinha, ministrados pelos pintores Carlos Vicente e Rita Vieira.

Como artista do atelier já expôs em diversos locais.

 

Exposições Individuais

– Museu dos Riachos em 2005

– Mouriscas (Festas da vila) em 2005

– Discoteca emotion Torres Novas em 2006

– Centro cultural V.N. Barquinha

“metamorfose” em 2007

– Posto de turismo de Constância

“metamorfose” em 2008

– Átrio do hospital de Torres Novas

“metamorfose” em 2009

– Galeria Municipal do Entroncamento

“vou com o vento” em 2010

– Galeria de arte do museu Etnográfico dos Riachos

“vou com o vento” em 2011

– Bar Sabores do Mercado do Entroncamento

“in-real” em 2012

– Galeria Municipal do Entroncamento

“Descuido ou interesse” em 2015

 

Exposições coletivas

– Átrio do Hospital de Torres Novas

em 2005, 2006, 2007, 2008 e 2009

– Galeria Municipal do Entroncamento

em 2015, 2016,2017 e 2018

– C.A.I. Tomar

em 2016, 2017 e 2018

 

Exposição de Pintura “Conversas Tranquilas”

Num passeio pela natureza, uma pequena brisa passa, se ouve o murmúrio entre as árvores e nos acalma… (Elsa Marques)

 

“Floresta”

Entre o terror e a noite caminhei

não em redor das coisas mas

subindo

Através do calor das suas veias

não em redor das coisas mas

morrendo

Transfigurada em tudo quando amei

Entre o luar e a sombra caminhei:

era ali a minha alma, cada flor

– cega, secreta e doce como estrela

Quando tocava nela me tornei.

E as árvores abriram os seus ramos

os seus ramos enormes e convexos

e no estranho brilhar dos seus reflexos

oscilavam sinais, quebrados ecos

Que no silêncio fantástico beijei…

Sophia de Mello Breyner

EXPOSIÇÃO DE DESENHO GRÁFICO “A VIDA COMO VOO DA BORBOLETA” DE ANET SOBKO

sobre Anet Sobko

Emotionality/ Definition/ stylish

 

Em 29 de março de 1990, uma menina de cabelos louros com grande desejo de desenhar nasceu na cidade de Demydivka.

 

Em 2010 terminou Faculdade de Belas Artes do Instituto Kremenets Humanitária e Pedagógico de Taras Shevchenko, tendo o curso de professora de artes plásticas.

 

Em 2011, fez o Curso de Pintura em Azulejo com Ana Duarte.

 

Desde 2012 realiza exposições individuais e coletivas em: Torres Novas, Entroncamento, Abrantes, Riachos, Figueira Foz, Leiria, Montijo, Caldas da Rainha, Coimbra, Santarém, Foz do Arelho, Setúbal, Almerim e Kremenets (UA).

 

Os trabalhos de Anet estão em coleções particulares em diversos países, nomeadamente: Brasil, Ucrânia, Itália, Cazaquistão, Portugal e Espanha.

 

 

“O maior sucesso para mim será a compreensão do espectador da minha criação.” – Anet Sobko

 

sobre a exposição . sinopse

“A Vida como Voo da Borboleta!”

 

“O voo da borboleta é leve, mágico e genuíno.

Diariamente a vida, é semelhante a um filme a preto e branco: dias da semana cinzentos, casa, trabalho, trabalho, casa. Com a sensação que a vida passa por nós, vivemos o fardo do passado e o medo pelo futuro.

Vamos dizer Chega! Nós vamos assumir 100% de responsabilidade por nossas próprias vidas. O passado não voltará e o futuro nunca virá. Vamos ser reais aqui e agora. Um momento consciente pode significar mais do que toda a vida em estereótipos, máscaras….

O voo da borboleta é real, é tão encantado… Vamos dar um exemplo dele. Sejamos reais, e nossa vida será tão mágica, como o voo de uma borboleta.

 

Por estas obras queria mostrar o presente. Estamos perdidos nas preocupações diárias, mas estas borboletas trazem-nos de volta à verdadeira causa da vida. Ser feliz, viver, amar, sentir cada momento, estudar cada momento e aceitar a vida como ela é.

Eu mesmo esqueço-me frequentemente da consciência, por isso estas borboletas surgiram, em primeiro lugar, para me lembrar sobre a rapidez da vida e a sua beleza a cada momento!” – Anet Sobkoexposicao anet sobko_Cartaz-Flyer Frente.jpg

EXPOSIÇÃO DE PINTURA “APONTAMENTOS DE UMA DÉCADA” DE LUÍS MOTA

cartaz.jpg

SINOPSE

A exposição “Apontamentos de uma década” apresenta trabalhos integrados no objetivo pessoal de exploração plástica contínua. O conjunto em exposição responde a um convite municipal, que se agradece, porque ele é relevante pela oportunidade de partilha que suscita. As obras expostas poderão ser compreendidas como produções decorrentes do contexto de vida que as animam. Estruturam-se segundo uma linha de participação social do seu autor e integram-se no fio condutor da sua intervenção artística, que parte das vivências cívicas, profissionais e criativas. A elaboração de apontamentos que se ligam à sua ideia da “viagem das formas” faz parte da sua materialização plástica em linhas, cores, volumes e figuras. Esta viagem de artes plásticas, iniciada em 1977, tem agora uma nova paragem numa mostra pública no Entroncamento. A organização desta exposição contou com a colaboração da Inês Melo, e da Cecília Baptista, na escolha e seleção das obras, e com o contributo do Gonçalo de Figueiredo, e do Tiago Braga na fotografia (Laboratório de Fotografia do Instituto Politécnico de Tomar).

BIOGRAFIA

Luís Mota

 Nascido em Riachos em 1956, expõe desde 1977. Com percurso profissional iniciado em 1973 nos caminhos-de-ferro, na CP, no Entroncamento e terminado em Campolide (tendo desempenhado funções de Operário Estagiário, de Desenhador, de Técnico Auxiliar e de Contramestre) redirecionou a sua carreira profissional para o ensino, a partir de 1988, lecionando no Instituto de Artes e Ofícios e na Escola Superior de Artes Decorativas, em Lisboa. Com curso da Escola de Artes Decorativas António Arroio, licenciou-se e concluiu mestrado em História da Arte na Universidade de Lisboa e obteve o doutoramento também em História da Arte, pela Universidade de Coimbra. Possui estágio de pós-doutoramento em Turismo pela Universidade de Aveiro. É Diretor Técnico do Museu Agrícola de Riachos e Casa Memorial Humberto Delgado, de Brogueira-Torres Novas. O desenho e a pintura, a história da arte, as artes decorativas, a museografia e a conservação do património cultural fazem parte do trabalho desenvolvido na Fundação Ricardo do Espírito Santo Silva onde ensinou Desenho de Ornato, Tecnologias Aplicadas, Peritagem em Arte entre outras matérias. O ensino como Professor Coordenador do Instituto Politécnico de Tomar, nos domínios do património e do turismo cultural associam-se a este percurso. Nas exposições em que participa apresenta trabalhos que considera como produções decorrentes do contexto das suas diversas atividades enquanto cidadão, profissional e agente criativo.

 

 

EXPOSIÇÃO DE FOTOGRAFIA “A MÁQUINA DO MUNDO” DE ANA RITA E AMIGOS

Sinopse

Das tantas palavras que uma imagem denuncia, eis porque o desenho do olhar impresso, outrora riscado e decalcado, pode em si contar uma história. Imaginemos várias imagens e suas histórias a acontecerem; como na carruagem do comboio, de estação em estação, a viagem acontece de um ponto ao outro, de partida e de chegada. Depois, qual tecelão que passando o fio faz novo caminho, eis que percebe do achamento e resolve seu pano pronto.

“Máquina do Mundo” é a fotografia apalavrada de Ana Rita que convida os Amigos para juntos contarem da memória coletiva. Foi resgatada e, do impacto do território na viajante e seu processo transformador, nasce a narrativa: desde a nascente – do vulcão, na Ilha do Fogo/Mosteiros e do comboio, no Entroncamento – até ao vislumbre do advir.

Gosta da expressão do filme “Avatar” – “Eu vejo-te” – e é assim que cumprimenta todos aqueles que aqui recebe.

BIOGRAFIA

Rita Mendes Pereira, licenciada em Ciências da Educação, pela Universidade de Coimbra, Pedagoga, Animadora Sociocultural, ora Curadora, nos Serviços Culturais da Câmara Municipal do Entroncamento desde 1991, tem exercido ao longo do tempo funções de gestão e programação, criação e curadoria. No campo da Educação desenvolveu projetos de motivação e promoção da leitura e cidadania executando oficinas e formações com os agrupamentos de escolas da Cidade do Entroncamento e da região de Santarém, elaborando projetos, como o “Poeta de cor” que foi selecionado no Manual de Boas Práticas da Anaced(Ajuda), contou entre outros, com 1ºs Prémios de Contadores de Histórias em Constância e de Fotografia no âmbito da disciplina de Filosofia, na Escola Secundária do Entroncamento. Foi colaboradora em jornais e revistas e fez um Curso (MOOC) de Escrita Criativa, na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Membro da direção de algumas associações de âmbito educativo, juvenil, social e cultural do Concelho do Entroncamento. Neste momento, integra projetos de ação sobre a temática da Economia Solidária, tendo em vista o desenvolvimento bioecológico. Insiste em testemunhar as suas vivências e gosta das palavras “ponte” e “estafeta” e “trabalho”.

ana rita sobre ana rita

Sob “!(…) esta perceção de sempre incompleta plenitude (…)”no vínculo à vida, eis-me pronta a participar, fortalecida, na razão, na reflexão, na intenção, na decisão, na ação e no poder ser alguém que, no que faço, possa trazer conforto, alegria e motivação positiva ao outro, de modo a formar e transformar as pessoas e a mim própria nos lugares e nos tempos por onde aconteço.