Arquivo da categoria: Exposições

Exposições

Exposição Comemorativa “Pde Martinho Gonçalves Mourão” (1906-1977): Primeiro Pároco do Entroncamento – O Homem e o Sacerdote

Cartaz.jpg

SINOPSE DA EXPOSIÇÃO

Pe. Martinho Gonçalves Mourão (1906 – 1977): Primeiro Pároco do Entroncamento

O Homem e o Sacerdot

A Exposição a realizar na Galeria Municipal de Exposições, no Centro Cultural desta cidade, entre 28 de outubro (sábado), dia de inauguração, pelas 15:00, e 9 de novembro (quinta-feira) constará das seguintes partes:

– As origens: retratos de família (o próprio, pais e irmã);

– Documentos: álbum de fotografias do próprio, onde se destaca um postal com a fotografia do Papa Pio XII, escrito de Roma pelo Cardeal Cerejeira, cujo destinatário o recebeu, embora apenas a direção refira “Pároco do Entroncamento – Portugal”; quadro, com fotografia do Pe. Mourão, 100×100 cm, com placa em prata, oferecido pelos fiéis do Entroncamento aquando da sua saída; rol de assinaturas dos mesmos, com a 1ª página iluminada pelo Professor Abílio Meireles, representando a Sagrada Família, Padroeira da Paróquia, e respetiva dedicatória. As assinaturas são encabeçadas pelo Dr. Ruy d’ Andrade e José Duarte Coelho; jornal “O Entroncamento”, nº 1; livro escrito pelo Pe. Martinho Mourão “Elementos para a História da Paróquia do Entroncamento” e outros livros; auto de entrega da igreja matriz do Entroncamento ao Cardeal Patriarca de Lisboa. Para tal necessitamos de expositores horizontais.

– Manequim/cabide com batina, sobrepeliz e barrete eclesiástico do Pe. Martinho;

– Fotografias e fotocópias a afixar em suportes verticais, alusivas às seguintes modalidades:

O Seminarista;

a Missa Nova;

a inauguração da Igreja do Entroncamento;

o Pe. Mourão discursando em Lisboa perante a imagem de Nª Srª de Fátima, na sua 1ª saída da Cova da Iria para Lisboa (dez de 1942);

O Homem: quadro, a carvão, da autoria do Professor Abílio Meireles, representando o Pe. Martinho; fotografia do mesmo com cabeção, mas de cabeça descoberta; fotografia, em final de vida, já doente;

– Objetos de devoção pessoal do próprio: oratório do séc. XVIII, bem como registo do séc. XIX, com Nossa Senhora, Mãe dos Homens, padroeira de Pedrógão, sua terra natal;

– Interessante cadeira com 3 rodas para movimentação de doentes entrevados, dos inícios do séc. XX. Pertenceu à mãe do Pe. Martinho, que viveu durante muitos na casa paroquial do Entroncamento, e se deslocava nela.

Com esta exposição pretende-se homenagear o primeiro pároco do Entroncamento, Reverendo Pe. Martinho Gonçalves Mourão, nos 111 anos do seu nascimento, pois deixou atrás de si uma sementeira de fé e obra social, da qual ainda hoje os católicos e todo o Entroncamento colhem os seus frutos. Assim, decorrerá ainda o seguinte programa:

. Dia 29 de outubro (Domingo) . 15h00

Centro Pastoral da Sagrada Família

Colóquio-Homenagem sobre a Obra do Pde Martinho Gonçalves Mourão

(dia da celebração do aniversário do seu nascimento 29.10.1906)

Importa conservar viva, na memória coletiva, a ação pastoral e cívica deste sacerdote, uma vez que os avós do Entroncamento, que com ele conviveram, vão lentamente desaparecendo.

Luís Batista (Mestre de História Regional e Local)

Anúncios

EXPOSIÇÃO DE PINTURA “NATUREZAS MORTAS A QUE A COR DÁ VIDA” DE OLÍMPIA MARIA

Cartaz.jpg

SOBRE SI

“ Nasci em 1942 no Entroncamento, onde cresci, me tornei mulher e vivo até ao presente.

Não sou pintora…mas desde criança que gostava de desenhar e pintar.

Cresci e continuei sonhando. Contudo, a vida não me deu espaço para a pintura, mas agora, que estou mais disponível, pensei que era chegada a hora de realizar o meu sonho de menina e comecei brincando com os pincéis e as tintas…

Entendo que o presente é o tempo ideal para fazermos todas aquelas coisas que a vida profissional e familiar não nos deu oportunidade para concretizar.

É a terceira vez que exponho o resultado do meu sonho. Independentemente de se gostar ou não, esta exposição tem uma mensagem para si:

– Não pare! Dê o primeiro passo. Acredite em si e preencha os seus dias.

Os meus são pequenos para o muito que eu desejo realizar no campo das ARTES. “

– Olímpia Maria das Neves Valentim

SOBRE A EXPOSIÇÃO

“Sou uma apaixonada pela natureza e qualquer pormenor me inspira para reproduzir na tela.

NATUREZAS MORTAS A QUE A COR DÁ VIDA, tema desta exposição de óleo sobre tela, é a expressão viva do meu sentimento., onde a cor dá vida e expressa a sua plenitude o meu sentir, a minha alegria de viver e a minha paixão pela beleza da Natureza. Espero que gostem.”

– Olímpia Maria das Neves Valentim

EXPOSIÇÃO DE PINTURA E FOTOGRAFIA “OS AVIEIROS E O TEJO” DE EMÍLIA PEDROSO, BLÓ E TERGON

CartazPrograma Inauguração.png

A Exposição Coletiva “Os Avieiros e o Tejo” é composta por Pintura da autoria de Bló (Isabel Pestana) e de Emília Pedroso e Fotografia, de Tergon (Teresa Gonçalves).

As autoras pretendem, através dos seus diferentes “olhares”, mostrar um pouco da cultura avieira, com as casas, os barcos, os artefactos de pesca e tendo, naturalmente, o rio Tejo como centro das suas vidas.

 

Emília.foto cara.png

Emília Infante Pedroso, nasceu em Lisboa.

Fez os estudos primários e secundários em Lisboa, mas tendo família paterna oriunda da Chamusca, sempre aí passou férias.

Teve, como maior amiga, a filha do escultor Leopoldo de Almeida, cuja casa frequentava, quase diariamente, e onde conviveu com artistas das áreas de Pintura, Arquitetura e Literatura que a marcaram profundamente pois sempre foi recetiva a todo o género de Arte.

Tendo o Curso de Hotelaria, da Escola de Hotelaria de Lisboa, exerceu esta profissão, no Brasil, num conceituado Hotel de Cabo Frio.

De regresso a Portugal, faz o Curso de História de Arte na Escola ARCO, em Lisboa.

Trabalhou como secretária da Presidência da Associação dos Arquitetos, mais tarde, Ordem dos Arquitetos.

Em 1994, através de subsídios concedidos pelo IFADAP, abre um Agroturismo, a cerca de 18 Km de Coruche, aí permanecendo até 2008.

Nesse período de tempo, aprende pintura com um Mestre, formado pela Escola de Belas Artes, aproveitando a vinda semanal deste, a Coruche, para lecionar, particularmente, um grupo de alunos.

Em 2008, vende o Agroturismo e constrói a casa, onde reside atualmente, na Chamusca, sua terra de eleição.

Em janeiro de 2017, expõe, pela primeira vez, na Sala Polivalente da Biblioteca Municipal da Chamusca, as suas telas com o tema” A Chamusca e Tejo”, dedicadas aos seus avós paternos.

Em julho de 2017, participa na Coletiva de Pintura e Fotografia, subordinada ao tema “Os Avieiros e o Tejo”, no Convento de São Francisco, em Santarém.

Bló.foto cara

Bló (Isabel Pestana) é natural da Chamusca.

Conclui o curso de Designer de Interiores e de Equipamento Gráfico Geral, no I.A.D.E (Instituto de Arte Decoração e Design) de Lisboa e frequentou a Stilandrade, em Lisboa, onde entrou em contato com algumas das mais avançadas técnicas de pintura decorativa.

Fez a sua primeira exposição de pintura no Hotel do Prado em 1996 e desde essa altura que expõe o seu trabalho, individualmente, em feiras como a Ascensão na Chamusca, Feira do Cavalo na Golegã, e também, em exposições coletivas, em São Martinho do Porto e Bombarral.

Em julho de 2010, os seus trabalhos integram o livro “Pintores do Oeste”.

Em 2014, é convidada, pela Associação Terras Quentes e Câmara Municipal de Macedo de Cavaleiros, para integrar a equipa liderada pelo Dr. Miguel Sanches de Baena. Neste âmbito, foi-lhe dada a incumbência de gerir toda a área artística do Museu Martim Gonçalves Macedo

Expôs, individualmente, no “Fórum da Corredoura” em Tomar e na “Antiqua”, na Golegã, sobre a temática dos TEMPLÁRIOS.

Em junho de 2015 apresentou, na Sala Polivalente da Biblioteca Municipal da Chamusca, em homenagem à sua mãe: RAÍZES DA VIDA – os seus trabalhos mais simbólicos.

No Centro de Artes e Cultura de Ponte de Sôr, em 18 de junho de 2016, inaugurou a Exposição: PERFEITO / IMPERFEITO – Celebração da Mulher. A 27 de agosto de 2016, a Exposição “TEMPLÁRIOS” na Galeria Municipal do Entroncamento e, em 18 de março de 2017, a Exposição “UNIVERSO SEPTENÁRIO”, mais uma vez, na Biblioteca Municipal da Chamusca.

Participou, ainda, na 1ª Exposição de Arte Tauromáquica da Chamusca– Ascensão 2017 e na Coletiva de Pintura e Fotografia “OS AVIEIROS E O TEJO”, no Convento de São Francisco, em Santarém – de 01 a 12 de Julho de 2017.

Recentemente efetuou trabalho de restauro, em paredes, com pinturas artísticas, no edifício sede da Fundação Rafael e Maria Rosa Neves Duque, sediada na Chamusca

Atualmente dá aulas de pintura a crianças e adultos, mantendo o seu trabalho nas áreas das artes decorativas e restauro, nomeadamente, no restauro de telas, móveis e paredes.

Tergon cara

Tergon (Teresa Gonçalves) é natural da Chamusca.

Frequentou o Liceu Nacional Sá da Bandeira de Santarém e a Faculdade de Letras de Lisboa.

Viveu cerca de 50 anos em Lisboa e, após a reforma, regressa, à terra de seu nascimento, onde reside atualmente.

Desde muito cedo que se interessou por fotografia, brincando com a velhinha Kodak de seu pai.

Por razões de uma das suas atividades profissionais “Formação de Formadores”, teve de desenvolver e aperfeiçoar as técnicas de Multimédia, no Centro de Formação, do Instituto de Emprego e Formação Profissional.

Faz fotografia como hobby, pois gosta de “olhar” e captar o mundo ao seu redor.

Na era da fotografia digital, tem explorado as possibilidades da informática para transformar as fotos e recriá-las em Arte Digital. À falta de “engenho e arte”, vai fazendo experiências que expressem as suas emoções.

Participou em vários sites de fotografia, nomeadamente, “OlharesFotografia Online” e “Reflexos Online”.

Participou, ainda, na 1ª Exposição de Arte Tauromáquica da Chamusca – Ascensão 2017 e na Coletiva de Pintura e Fotografia “Os Avieiros e o Tejo”, no Convento de São Francisco, em Santarém – de 01 a 12 de Julho 2017.

                                              ::::::::::::::::::::::      :::::::::::::::::::::

“Entre as muitas formas de combater o nada, uma das melhores é tirar fotografias, atividade que deveria ensinar-se, desde muito cedo, às crianças, pois exige disciplina, educação estética, bons olhos e dedos seguros” – Júlio Cortázar

“Fotografar, é colocar na mesma linha, a cabeça, o olho e o coração” – Henri Cartier-Bresson

“Você não fotografa com a sua máquina. Você fotografa com toda a sua cultura” – Sebastião Salgado.

 

EXPOSIÇÃO DE PINTURA “H2O TELAS” DE SÃO MATIAS . GALERIA MUNICIPAL

Cartaz.jpgSÃO MATIAS

Nasce em 1946, em S. Pedro, Torres Novas. Residente no Entroncamento há mais de 30 anos.

Diz de si: “Desde muito nova que adquiri o gosto pela arte, gosto que vai da arte clássica até à mais moderna pois tudo o que tem beleza me encanta. Trinta anos da minha vida foram dedicados à arte do tricô que tive de abdicar por graves motivos de saúde. Recuperada da doença, encontrei forças para me dedicar a esta paixão, a pintura.

Iniciei o meu trajeto nas louças de porcelana, faiança e arte do fogo. Fui aprendendo e aperfeiçoando as técnicas através de seminários, das aulas de pintura com artistas nacionais e internacionais, dos quais saliento alguns, Tânia Lopes, Dailing Bolsoni, Rosi Bôrgues, Dimas Florêncio, Levi Reis entre outros.

No ano 2000 dei início à pintura em tela, reproduzindo clássicos antigos, sendo o que gosto mais de fazer.”

H2O TELAS

“H2O Telas” é uma Exposição de Pintura que chega à Galeria Municipal para nos mostrar, de novo, São Matias, desta vez com a tónica num tema que salpica água, tela a tela, do princípio ao fim. Verão, regado no Entroncamento com estes apontamentos clássicos, eis o convite a visitar e ficar mais um pouco, refrescados pela brisa que nos é oferecida por mais uma artista plástica do Concelho.

DIA MUNDIAL DA FOTOGRAFIA – 19 de AGOSTO : Exposição Fotografia “ROSTOS DE TIMOR” de ANTÓNIO COTRIM

Cartaz

SOBRE O AUTOR

Natural de Lisboa, António Cotrim desde cedo começou a trabalhar na área da comunicação social: Lusitânia, ANOP, Notícias de Portugal e Agência Lusa, onde trabalha atualmente.

Tal & Qual” e “O Record” foram dois dos jornais com os quais colaborou.

Ao longo da carreira, tem registado com a sua objetiva momentos únicos ocorridos tanto em Portugal como no mundo, nas diferentes missões de reportagem que integrou. Um trabalho que se mundializa quotidianamente.

António Cotrim assume de forma carismática a fotografia como “projeto de vida” e daí a minuciosidade e precisão que reflete cada expressão registada, cada instante registado.

O seu talento e trabalho são reconhecidos com a publicação de fotografias em inúmeros livros, folhetos, catálogos, sem contar com as variadíssimas edições em jornais e revistas, tanto nacionais como internacionais.

fotos sinopse biografia.png

SOBRE A EXPOSIÇÃO

A Exposição de Fotografia “Rostos de Timor”, é uma singela homenagem aos homens e mulheres de Timor que sofreram, lutaram e morreram pela liberdade e independência de uma terra que amavam e à qual queriam chamar “o meu país”.

Estes são os rostos de um povo (Baucau e Díli) que nunca desistiu, nunca se resignou e, acima de tudo, nunca esqueceu a sua língua, a sua cultura ancestral, a sua identidade.

Após 24 anos de ocupação pela vizinha Indonésia, Timor – Leste tornou-se independente em maio de 2002.

Este grito de liberdade ficou, para sempre, escrito na História com sangue e com lágrimas, derramadas ao mesmo tempo que se entoava uma oração num cemitério, um lugar sagrado que as armas tentaram calar e não souberam respeitar.

No local onde se honravam os mortos, começou o fim do sofrimento daqueles que, corajosamente, mostraram ao Mundo que se mantinham vivos.

7.PR, Marcelo.jpg

Distinções:

2014 – Prémio Gazeta de Fotografia do Clube dos Jornalistas.

2010 – Júri do concurso internacional de fotografia de Ferreira do Zêzere.

2004 – Menção honrosa do Prémio Europeu de Fotografia “Fujifilm” na categoria de   desporto.

2001 – Menção honrosa do Clube Português de Imprensa, na categoria de fotorreportagem.

Exposições:

2011 – Centro Nacional de Cultura, em Lisboa.

2012 – Câmara Municipal de Lisboa / Biblioteca por Timor.

2012 – Galeria do Café de Santa Cruz, em Coimbra.

2013 – Câmara Municipal de Vila N. Gaia/ Teatro Eduardo Brazão.

2013 Participa na IV Bienal de Culturas Lusófonas/ Câmara Municipal de Odivelas.

2013 – Câmara Municipal de Oliveira do Hospital.

2014 – Câmara Municipal de Portalegre / Galeria de S. Sebastião.

2014 – Câmara Municipal de Ourém.

2014 – Centro Cultural da Malaposta.

2014 – Museu de Arte Sacra de Fátima.

2014 – Biblioteca de Alcochete.

2015 – Câmara Municipal de Mafra / Sala Atlântico – Ericeira.

2015 – Biblioteca da Câmara Municipal da Amadora.

2016 – CPLP – Comunidade dos Países de Língua Portuguesa.

2016 – Câmara Municipal do Sardoal.

2016 – Assembleia da República.

2017 – Museu da Resistência – Timor -Leste

2017- Museu da Fundação Oriente – Timor -Leste

EXPOSIÇÃO DE PINTURA “SÉC.XXI – UM SÉCULO DE CONTRASTES” DE GABRIELA SANTOS

Cartaz.jpg

SOBRE A AUTORA

Gaby, Gabriela Santos, nasceu a 8 de dezembro de 1949, por mero acaso em Leiria, pois o seu pai, eletricista de obras estava a trabalhar na Marinha Grande. Com cerca de 4 anos foi viver no Montijo, onde fez a instrução primária, mudando-se depois definitivamente para o Barreiro. Aí fez a escola secundária, onde teve o primeiro contacto com o movimento antifascista, frequentando entre outros a Académica e o Cineclube. Continuou os seus estudos em Lisboa, no Instituto Industrial, tendo participado ativamente no movimento estudantil dos anos 60, através da Associação de Estudantes. Em 1970 começou a trabalhar na CP, tendo aproveitado para conhecer a Europa de comboio. Durante vários anos fez parte da Comissão de Trabalhadores da CP, sendo coordenadora da mesma. Ao fim de 22 anos saiu da CP e reformou-se com uma grave depressão nervosa. O seu amor pelos animais levou-a à criação de cães, atividade que mantem até hoje agradecendo-lhes o facto de terem contribuído definitivamente para o seu franco restabelecimento.

A sua grande curiosidade por novas culturas levou-a à América Latina, tendo recebido a sua influência especialmente do Peru e da Bolívia e que pode ser observada em algumas das suas obras.

No ano de 2015 passava repetidamente junto a uma casa que anunciava cursos de desenho e pintura. Sem quaisquer perspetivas e nunca tendo pintado ou desenhado de forma consistente, resolveu tentar por considerar que lhe poderia ser terapêutico, devido ao seu passado. E foi assim, que aos 66 anos se viu a pintar. De janeiro de 2016 até à presente data já pintou cerca de 90 quadros e realizou as seguintes exposições individuais:

  • a 26/11/2016, na Junta de Freguesia da Baixa da Banheira focada essencialmente sobre as atrocidades que nos afligem no século XXI
  • a 3/3/2017, na Voz do Operário em Lisboa
  • a 8/6/2017, na Biblioteca do Vale da Amoreira, com o tema “Gentes e Tribos” em homenagem aos moradores desta freguesia, que são maioritariamente de origem africana.

SOBRE A EXPOSIÇÃO

Nesta exposição procura-se mostrar, por um lado alguns aspetos negativos da atual sociedade e, por outro, algumas civilizações que, apesar de tudo, continuam a ser belas.

No primeiro caso são exemplos as guerras e o sofrimento que provocam em todos e em especial nas crianças que são as primeiras e inocentes vítimas da violência que assola o planeta.

No segundo caso temos as tribos que ainda não se contaminaram com esta violência e continuam a viver a vida de uma forma simples e bela.

EXPOSIÇÃO “OCIUS DU OFICIU” DE LUÍS FILIPE . GALERIA MUNICIPAL

6.Foto cartazSOBRE SI

“Luís Filipe Rodrigues Lopes, nasci em Lisboa a 24 de julho de 1956, mas desde os quatro anos de idade que resido no Entroncamento onde cresci, estudei, formei família e trabalho. Sou ferroviário, serralheiro de profissão e desde cedo que dedico algumas horas do meu lazer à poesia, à fotografia e já mais tardiamente ao artesanato em ferro, barro e madeira do qual sobressai mais expressivamente a execução de casinhas de barro em miniatura.

São estes os antidepressivos que encontrei naturalmente para ajudar a esquecer e ultrapassar alguns dos pequenos obstáculos do dia-a-dia. Mas é na fotografia e na poesia, participando em jogos florais, concursos literários e concursos de fotografia, que tenho obtido alguns prémios em vários pontos do país, o que, de modo significativo tem contribuído para o evoluir de uma simples e puramente amadora carreira artística. Os temas que mais me motivam e inspiram são o sonho, o bem-estar, a paz e a natureza, sendo, portanto, com estes ingredientes, que vou produzindo sem grandes artefactos ou truques de magia, coisas simples e pequenas, por vezes com pouco significado mas que me saem da alma.”

SOBRE A EXPOSIÇÃO

“Esta exposição já com alguns anos de atraso, acontece finalmente para minha satisfação e realização pessoal. Esteve pensada para o ano em que fiz 50 anos, mas porque a sua organização não me foi possível, passou para a prateleira das ideias, até ser pensada para 2016, o que, por motivos de agendamento, também não foi possível concretizar, tendo ficado nessa altura agendada para 2017, em data que coincide com o dia do meu 61º aniversário.

E pronto, sinto-me muito bem comigo próprio, por pensar que consegui reunir numa só exposição, aquilo que tenho para mostrar, se bem que, muita gente já conhecerá parte do meu trabalho através das feiras de artesanato em que participei, não só no Entroncamento, mas também nas localidades vizinhas, quase sempre em representação do nosso concelho, que muito me honrou representar.

Esta exposição, um pouco diferente das habituais, pela particularidade de abranger várias expressões “artísticas”, irá, assim o espero, ao encontro do gosto de quem a visitar, não só pela variedade de conteúdos e temas, mas também pela originalidade dos trabalhos apresentados, ou seja: as fotos não estão apenas penduradas em dois fios de nylon, os poemas não estão escritos numa folha A4 ou A3 impressos numa vulgar impressora e as casinhas não estão apenas colocadas numa prateleira ou sobre uma mesa. Como é meu apanágio, quis apresentar algo mais, não só para proporcionar a quem visita, algo diferente, mas também porque faz parte do meu gosto por aquilo que realizo.

Espero sinceramente que qualquer visitante goste do que lhe é dado a ver e, se possível que expresse a sua opinião, quer escrita, quer pessoalmente, para que eu possa ponderar outras exposições, em outros locais, se houver organizações ou instituições que manifestem interesse para que isso aconteça.” – Luís Filipe

Exposição de Pintura a Óleo “Percursos” de Carlos Frederico Dias Pereira

5.pintor.foto.jpg         SOBRE O PINTOR

Carlos Frederico Dias Pereira, nasceu a 22 de agosto de 1957, no Entroncamento. Estudou Tecnologias Industriais na Escola Industrial do Entroncamento e no Instituto Politécnico de Tomar. Pintor autodidata desde a década de 80, altura em que se inicia, pratica essencialmente a pintura a óleo. As suas telas refletem tendências para o Clássico e Naturalismo, atualmente seguindo a vertente Contemporânea. Tem exposto com regularidade em diversos locais. As suas obras encontram-se em várias coleções particulares.

cartaz

Exposição “Retrospetiva” Coletiva dos Alunos do 10º Ano do Curso de Artes Visuais da Escola Secundária c/3º Cl. do Entroncamento

Cartaz

EXPOSIÇÃO COLETIVA DOS ALUNOS DO 10º ANO DO CURSO DE ARTES VISUAIS DA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DO ENTRONCAMENTO

SINOPSE

Esta exposição coletiva dos alunos do 10º ano do Curso de Artes Visuais da Escola Secundária com 3º Ciclo do Entroncamento resulta do convite da escola à Câmara Municipal do Entroncamento, no sentido de, mais uma vez, divulgar junto da comunidade local o trabalho desenvolvido pelos alunos da área de Artes Visuais, promovendo a articulação entre a escola e o meio envolvente.

AS OBRAS EXPOSTAS:

A exposição resulta do trabalho desenvolvido ao longo do presente ano letivo, de acordo a análise das unidades de trabalho sugeridas que constam no programa da disciplina de Desenho A, do Curso de Artes Visuais e que foram as seguintes: “Desenho de Formas Artificiais”, “Estudos de Cor”, “Desenho de Formas Naturais”, “Séries de Transformação” e “Figura e Fundo”.

Todas foram precedidas por uma abordagem teórica que proporcionou o conhecimento necessário para uma fase, primeiro, de investigação e análise, e depois, de síntese e arte final. As composições visuais apresentadas refletem a resposta a um problema enunciado através do ato criativo e revelam a capacidade de adequação e evolução perante novos materiais e novas técnicas de expressão e representação.

No caso da unidade, “Desenho de Formas Naturais”, esta foi integrada no Projeto “Eathink 2015 – alimentação local, pensamento global”, como uma das atividades a realizar definidas pela equipa do Projeto Eathink 2015 e Projeto Eco-Escolas. A unidade desenvolveu-se com o objetivo de expor os trabalhos realizados sobre a temática, “Caracterização dos peixes do rio Tejo e artes de pesca”, através do desenho de ilustração científica.

Enquadrada no referido projeto, a exposição destes trabalhos tem como objetivo, a divulgação do peixe do rio como uma das alternativas alimentares à sobre-exploração dos oceanos.

OS AUTORES

Estamos perante um grupo de alunos trabalhadores, voluntariosos e que enfrentam os desafios com entusiasmo e persistência, acrescentando a tão necessária e característica irreverência própria das suas idades.

Numa fase de iniciação no Curso de Artes Visuais, já revelam provas de inequívoca qualidade na escola, chegando agora o momento de se apresentarem à cidade da região a que pertencem, com não menos entusiasmo, como em tudo o que têm feito ao longo do presente ano letivo, sempre de forma muito positiva.

Alunos do 10º ano (2016/17) do Curso de Artes Visuais da Escola Secundária com 3º Ciclo do Entroncamento: Ana Carolina Lopes, Beatriz Fontes, Berta Simões, Diana Vitória, Diogo Lobato, Inês Caetano, Jéssica Garcia, Joana Francisco, Joana Carrilho, Olga Anselmo e Tatiana Alexandre.

O Docente da disciplina de Desenho A, membro da equipa do Projeto Eathink 2015 e Coordenador da atividade, Professor Álvaro Santos

“PEIXES DO RIO – ESCULTURA CRIATIVA” EXPOSIÇÃO COLETIVA DOS ALUNOS DO 12º ANO DO CURSO DE ARTES VISUAIS DA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DO ENTRONCAMENTO

SINOPSE

Esta exposição coletiva dos alunos do 12º ano do Curso de Artes Visuais da Escola Secundária com 3º Ciclo do Entroncamento resulta do convite da escola à Câmara Municipal do Entroncamento, no sentido de, mais uma vez, divulgar junto da comunidade local o trabalho desenvolvido pelos alunos da área de Artes Visuais, promovendo a articulação entre a escola e o meio envolvente.

Na sequência do desenvolvimento do Projeto “Eathink 2015 – alimentação local, pensamento global”, e como parte integrante das atividades calendarizadas para o presente ano letivo pela equipa do Projeto Eathink 2015 e Projeto Eco-Escolas, surgiu a ideia de realizar uma exposição de trabalhos dos alunos do Curso de Artes Visuais da Escola Secundária com 3º Ciclo do Entroncamento, subordinada à temática, “Caracterização dos peixes do rio Tejo e artes de pesca – ilustração científica e escultura criativa”.

Enquadrada no referido projeto, a exposição tem como objetivo, a divulgação do peixe do rio como uma das alternativas alimentares à sobre-exploração dos oceanos.

AS OBRAS EXPOSTAS:

A exploração desta temática surgiu de forma a dar continuidade ao trabalho desenvolvido pelos alunos do 10º ano do mesmo curso, na disciplina de Desenho A, que realizaram ilustrações científicas a partir de várias espécies de peixes do rio.

Após esta abordagem realista, impunha-se uma complementaridade, quer através da técnica, quer no modo de reprodução. Assim, sobre a mesma temática, aos desenhos realistas, sucederam-se as esculturas criativas.

Este trabalho, “Invenção de um objeto Tridimensional”, inserido no Módulo 3, do programa desta disciplina, executou-se através da técnica da escultura por construção e assemblagem, associada à pintura (Desenho A – Texturas Visuais).

Às novas técnicas de execução, uma novidade a vários níveis, os alunos, como é hábito, aderiram de forma entusiástica refletida na rápida aprendizagem técnica no tratamento e caracterização das formas tridimensionais.

OS AUTORES

Na escola, estes alunos já conquistaram o seu espaço e reconhecimento, mas esta é uma oportunidade, para mais uma vez, mostrar à comunidade as suas capacidades resultantes do processo de ensino/aprendizagem.

Alunos do 12º ano (2016/17) do Curso de Artes Visuais da Escola Secundária com 3º Ciclo do Entroncamento: Catarina Marques, Beatriz Silva, Carolina Sousa, Carolina Marques, Elma Patrício, Gabriel Mendes, João Esteves, Maria Beatriz Gonçalves, Mariana Martins, Tomás Gomes e Vanessa Diogo.

O Docente das disciplinas de Desenho A e Oficina de Artes, membro da equipa do Projeto Eathink 2015 e Coordenador da atividade, Professor Álvaro Santos

cartaz.peixes